quinta-feira, 30 de abril de 2009

Back to ashes

São cinco da manhã. Lá fora escuridão e silêncio.
Arrebatado pela chuva e pelo vento, sem forças para continuar, refugio-me novamente na secretária. Encho o copo que se esvazia sem eu dar conta e leio o que outrora escrevi numa folha em branco pensando para mim mesmo – “ tretas!”.
Não me podendo dar ao luxo de pensar, e talvez entorpecido pela imensidão de álcool consumida, a música que toca tristemente no portátil já nada me diz. Ouço-a bem ao longe… As luzes da noite e das velas dançam em meu redor, não sinto nada. Quase tão automaticamente como vão aparecendo os fantasmas afasto-os com um golo de Chardonnay.
O cigarro de baunilha e as velas acesas acalmam o meu espírito, aqui estou em paz. Encho novamente o copo. Lá fora começa a fazer-se madrugada. Deixo-me ir e caio rígido no sofá. Amanhã será um novo dia, uma nova luta…

“He drank to stay alive but secretly wish that it would kill him .”
PM

3 comentários:

Rita Guerra disse...

Pára de beber e vive! :)

Rita Guerra disse...

Acho estupido nunca mais teres escrito nada...

Marco Reis disse...

o problema nao foi parar de escrever :P foi mesmo parar de publicar mas voltarei a ser mais assiduo =) that's a promise. Depois queero uma avaliação da evolução ahahhaa